Palavras do dom

Quando vindo
de vagar
por entre os mundos
e perder
tudo que tinha
de oito pêndulos
sacolas, orgulhos
tremendos
os traços da face
sumidos
em sumidouros de lírios
do rio
(onde noite e dia jamais
se estranharam e um monte
de outras coisas seguem sendo um só)
rumando sem fim
rebento assim ao acaso
com dois ou quatro amigos
(o número não vem ao caso,
mas a realidade da coisa)
que passando
a saber
assobiam
ao pouco o tempo
me fiam
a roupas sujas
me ajeitam
as caras justas
redondas
recordam
sol que habita
ainda estes estios
e abertas
num gesto
me espertam
num beijo
com sal nos beiços
e outras charadas
em poucas palavras
me encarnam
enfim
pra
que
outro

pra que outro caminho?